Segunda-feira, 27 de Abril de 2009

As construtoras já entregam imóveis à banca.

Uma noticia publicada no JN refere que existem certas construtoras que vão entregar à banca os seus imóveis. O crédito malparado está a níveis históricos .

 

Do total de crédito concedido ao sector da construção 886 milhões eram considerados de cobrança duvidosa, ou seja mais 71% do que em Fevereiro de 2008 e mais 69 milhões do que em Janeiro de 2009.. Valores que bastam para explicar as afirmações recentes, ao JN, do presidente da Associação das Empresas de Construção e Obras Públicas do Sul (AECOPS), Ricardo Pedrosa Gomes. "Uma boa parte do sector é promotor de habitação que, na actual conjuntura, não consegue vender os empreendimentos, logo acaba por entregar os imóveis à banca como pagamento".

 

O período de crise em que vivemos, afecta tudo e todos e aprece que entramos numa espiral da qual não parece haver retorno, as tesourarias das empresas estão fragilizadas e não se prevê melhorias se não houver uma intervenção séria e rápida por parte do Estado!

publicado por J às 11:27
link do post | comentar | favorito
|
Sexta-feira, 20 de Março de 2009

moratória nas prestações de crédito à habitação

O primeiro ministro de Portugal, José Sócrates anunciou nesta última  quarta-feira, na Assembleia da República, que as famílias com desempregados vão beneficiar de uma redução de 50 por cento com a prestação da casa.

Segundo o primeiro-ministro, a moratória nas prestações de crédito à habitação pode prolongar-se por dois anos e deve ser requerida até ao final de 2009.

A linha de crédito específica que vai financiar a moratória nas prestações de crédito à habitação vai custar este ano, segundo o primeiro-ministro, 150 milhões de euros.

 

 

 

 

 

publicado por J às 12:52
link do post | comentar | favorito
|
Terça-feira, 20 de Maio de 2008

Outras despesas

Porque por vezes as pessoas esquecem-se que existem mais algumas coisas que tem de ser pagas, aqui deixo uns exemplos de outras despesas, para quem quer adquirir um imóvel:

 

 

  • I.M.T.   - Imposto Municipal de Transmissões : Pode ir desde a Isenção até um valor de 15% sobre o valor da escritura.  A tabela é diferente no Continente e nas Regiões Autonomas.
  • Notário - Depende do valor declarado na escritura de compra e venda, do numero de cópias, do tamanho da escritura, entre outros.
  • Registo - Pagamento do registo provisório de aquisição, a conversão do mesmo.
  • Mais-valias: Constituem mais-valias os ganhos obtidos que, não sendo considerados rendimentos comerciais, industriais, agrícolas, de capitais ou prediais, resultem, nomeadamente da alienação onerosa das partes de direitos reais sobre imóveis.
  • Imposto de selo sobre a compra e venda: Imposto que incide sobre o valor declarado da compra e venda. O montante a pagar é 0,8% sobre o valor da venda.
publicado por J às 11:15
link do post | comentar | favorito
|
Quinta-feira, 8 de Maio de 2008

TAN?? TAE?? Spread? O que é isso?

 Ora bem estes palavrões que nunca ninguém sabe o que é…

 

A TAN (taxa de juro anual nominal) permite calcular os juros do empréstimo através do prazo e do montante do empréstimo. A TAN resulta da adição do indexante com o spread, ao qual acrescem os efeitos do arredondamento.

 

A TAN pode ser fixa ou indexada. No caso da taxa ser fixa a taxa de juro é mais alta e como tal o crédito fica mais caro, mas sempre sabemos com o que se conta no final de cada mês. Sendo variável anda ao sabor das taxas de juro da zona euro.

No caso de optar pela taxa fixa, fique a saber que pode acordar o número de anos que a vai usar.

 

 

O spread equivale, grosso modo, à margem de lucro do banco nos contratos de crédito à habitação. Trata-se de um factor comparativo importante no momento de escolher o banco. Os bancos fazem variar o spread em função do montante do empréstimo, da relação entre este e o valor do imóvel (ou seja, a percentagem de financiamento) e, nalguns casos, do prazo do crédito.

 

A TAE (taxa anual efectiva), desde que bem calculada, reflecte todos os encargos associados ao empréstimo, com excepção dos prémios dos seguros exigidos pelo banco. É, pois, a taxa mais fiável para comparar as várias propostas de crédito: aquela que apresentar uma TAE mais baixa corresponderá ao empréstimo mais barato.

publicado por J às 12:00
link do post | comentar | favorito
|

Poupança-habitação

O ideal seria termos uma conta poupança-habitação e assim ter a possibilidade de pedir pouco dinheiro a um banco, mas já que temos de o pedir, o que devemos de ter em conta?

 

Simule diversos montantes para vários prazos de pagamento (para tal, o simulador de crédito à habitação da DECO-PROTESTE constitui uma ferramenta útil e fácil de usar). Informe-se sobre as condições de financiamento (comissões, seguros exigidos, impostos legais, penalizações por reembolso antecipado) e utilize como principal indicador comparativo a taxa anual efectiva (TAE).

 

Mesmo que esta ferramenta lhe indique um outro qualquer banco, que não o seu, não se iniba de mostrar isso mesmo à sua entidade bancária. Se conseguir fazer valer a sua posição de cliente pode ser que consiga uma proposta mais vantajosa.

 

Já se sabe quanto maior for o período de empréstimo, mais caro sai o crédito. No fim da simulação, tenha em conta que existem sempre despesas extras, e que a taxa de juro pode subir. Tenha em atenção a taxa de esforço e se achar que for muito grande, tente diminuir a prestação mensal, já se sabe que o crédito ficará mais caro, mas se for essa a opção para diminuir a taxa de esforço….

publicado por J às 11:58
link do post | comentar | favorito
|

Credito à habitação: Que banco escolher

Depois ler um artigo na Proteste, para a qual é preciso um registo, resolvi fazer uma apanhado das coisas mais importante e publicar aqui. Sempre que possível virei actualizar o conteúdo deste blog. 

Talvez seja a maior despesa da vida de uma pessoa: Adquirir habitação própria.

Como a quantia envolvida é sempre bastante volumosa, o mais vulgar é optar por pedir um empréstimo a uma entidade bancária. É logo aqui que por vezes se comete o primeiro erro: Num inquérito realizado em Portugal à pouco tempo, a grande maioria dos inquiridos responderam que escolheram o banco onde já eram clientes, só por esse mesmo motivo “já era o meu banco.” Isto é obviamente errado.

Temos necessidade de uma grande quantia de dinheiro logo é imprescindível que se consultem vária entidades bancárias para que possamos ficara a par do que existe no mercado e fazer uma escolha em consciência.

publicado por J às 11:56
link do post | comentar | ver comentários (3) | favorito
|

.links